Castelul de la Targoviste * Castle of Targoviste

Principatul Valahia / Principat of Valahia


    Portugal

    Share

    Morosanu

    Posts : 417
    Join date : 2009-06-03

    Portugal

    Post  Morosanu on Fri Jun 10, 2011 1:27 pm

    Cooperation Treaty between the Kingdom of Portugal and the Principalty of Valahia

    For the grace of Jah, the Merciful, in Yours infinity goodness, for the will of the Sovereign of the Principality of Valahia and of the Kingdom of Portugal, in a desire of prosperity, development and safeguarding the future, that this treaty is established through their diplomatic representatives: Morosanu Matei (Morosanu), from the Principalty of Valahia, and Ronieri de Sousa Coutinho (Ronieri), from the Kingdom of Portugal.

    Preamble

    The sovereign and the frontiers of each of the signatories of this treaty, as well as their inviolability are officially recognized by each one of them. Themselves are also pledging to respect each other and the rights resulting from their sovereignty, which are the exclusive powers to legislate, to enforce justice, and the use of force, within the limits of conventional.

    Based on this recognition, the signatories are committed to respect the dignity attached to each of them and to treat each other as equals.

    Article I: Administrative and diplomatic cooperation

      § 1 – The signatories are engaged with the divulgation between themselves about all the documents or copy of documents necessary to the operation of their institutions.

      § 2 – The signatories are engaged with the divulgation between themselves about all the documents or copy of documents necessary for the proper observance of this treaty or any treaty that in the future could be agreed.

      § 3 – The signatories decide to establish in their respective territories Embassies and will name an ambassador, who will be the privileged access in case of diplomatic negotiations.

    Article II: Judicial cooperation

      § 1 – If one of the signatories suspects that a criminal has escaped before a trial has been opened by the local authorities, he can delegate to the other judicial authorities the task of judge the leakage suspect under the coordination of the judicial authorities from the territory where has been committed the crime.

      § 2 – The lawsuit from one of the signatories against a leakage suspect from the other territory should be done in close cooperation between the judicial organs from both signatories, however only the Public Prosecutor of the territory where the crime was committed will be responsible for formulation of the accusation bill and the lawsuit, through the Public Prosecutor from the territory where the suspect is.

      Regardless of where the sentence is handed down, the suspect will be tried in accordance with the laws of the territory where the crime was committed and its Judge is the one in charge of issuing the verdict.

      § 3 – The signatories grant to themselves the right to considerate, reasonable or even arbitrary, the suspects on the run (see the 1st and 2nd paragraph), as political refugees, but only after formal trial.

      § 4 – Once the court proceedings started, it cannot be stopped without the express agreement of the judicial authorities of the two signatories.

      § 5 – The signatories must, in collaboration with their judicial archivist, ware each other of the potential danger of former convicted who have decided to settle down in the territory of the other signatory.

      § 6 – Members of Council and also the Ambassadors of the signatories are benefited from diplomatic immunity.

      If an offence is committed, they cannot be prosecuted without the Councils agreement.

      In case of grave offence (participation in a riot without agreement of local authorities, pillage, robbery or assassination), the rules of diplomatic immunities must not be applied: the Diplomat must be immediately devoid by the respective authorities and may be prosecuted without further privilege by the local judicial authorities.

      § 7 – In case of chasing of bandits or thieves, the troops are allowed to pursue criminals beyond the border line, in the following conditions:

        - The signatory tracker must immediately warn the other, before he crosses the border if possible.
        - The other undertakes to employ all means to block the escape.
        - The tracker group must not abuse from the foreign hospitality or markers and must respect the laws, traditions and costumes of the local populations.
        - The tracker group must not abuse from the concessions agreed and undertakes to back down as soon as possible, after the capture of individuals pursued, or after the formal request from the other signatory.

      If the warning is not done, or if one of the conditions are not respected, a fine of 1.000,00 (a thousand) pounds must be paid by the offending signatory to the offended signatory.

    Article III: Commercial Cooperation

      § 1 – The signatories undertake to promote trade agreements between them in according to their powers.

      § 2 – In cases of serious economic crisis in the territory of one of the signatories, the partners undertake to help each other to the maximum available resources.

      § 3 – As civilized partners, the signatories commit themselves to punish any economic destabilization, whose the authors are among its citizens.

      § 4 – Merchants sent by the signatories are allowed to move freely within their territory. No fee may be claimed from them.
      The Trade Ministers should be in frequent contact with the others to regulate the activities of those merchants.

      § 5 – The safety of Merchants appointed by the signatories should be assured by military and police of the signatories involved.

      § 6 – The closure of the borders will not interfere whit the free movement of the Merchants or people authorized by the signatories.

      § 7 – Citizens residents in the Signatory’s territory can move freely between them, on the express condition that have not lawsuits, that the border be not closed, that not acting as soldiers or mercenaries in exercise alone or in group.

    Article IV: Conditions of termination of this Treaty

      § 1 – One of the signatories, to break the treaty in peace time, should send representatives to pursue the other part a written and dated notice about the rupture. The split will be effective after 7 (seven) days.

      § 2 – The rulers of the signatories and their successors undertake to respect this trade. Any disrespect to any provision for one of the signatories releases another of this commitment to being given a substantial compensation.

      § 3 – This treaty shall not be broken by either signatories at wartime. Any unilateral violation of the treaty in a state of declared war is an act of treason and can lead to reprisals.

      § 4 – The treaty revision or cancellation can be decided with the consent of both signatories.

      § 5 – This treaty shall be valid upon signature by the representatives of the signatories territory. The authorities of each signatory undertakes to ensure that its citizens take notice of the provision of this treaty.


    From the Principalty of Valahia:

    His Excellency Blagoe, Count of Principat de Valahia
    His Excellency Morosanu Matei (Morosanu), Chancellor of Principat de Valahia




    From the Kingdom of Portugal:

    His Royal Majesty Mac de Monforte (Mightymacky), King of Portugal



    His Excellency Nortadas de Albuquerque (Nortadas), Royal Chancellor of Portugal



    Her Excellency Anokas Highlander (Anokas), Countess of Porto



    His Excellency Secretgod de Albuquerque (Secretgod), Count of Coimbra



    His Excellency John de Sousa Coutinho (John_of_Portugal), Count of Lisboa



    Tratado de Cooperação entre o Reino de Potugal e o Principado de Valahia

    Pela graça de Jah, o Misericordiosíssimo, na sua infinita bondade, pela vontade dos Soberanos do Principado de Valahia e do Reino de Portugal, em seu desejo de prosperidade, desenvolvimento e salvaguarda do futuro, que se estabelece este tratado através de seus representantes diplomáticos: Morosanu Matei (Morosanu), do Pricipado de Valahia, e Ronieri de Sousa Coutinho (Ronieri), do Reino de Portugal.

    Preâmbulo

    A soberania e as fronteiras de cada um dos signatários deste tratado, bem como a inviolabilidade das mesmas são oficialmente reconhecidas por cada um destes. Os próprios comprometem-se também a respeitar mutua e reciprocamente os direitos resultantes da soberania, que são os poderes exclusivos de legislar, de aplicar justiça, de recorrer ao uso da força, dentro dos limites dos compromissos convencionais.

    Na base deste reconhecimento, os signatários comprometem-se a respeitar a dignidade anexa a cada um deles e a tratarem-se como iguais.

    Artigo I: Cooperação administrativa e diplomática

      § 1.º – Os signatários comprometem-se a divulgar entre si todos os documentos ou cópias de documentos necessários ao funcionamento das suas respectivas instituições.

      § 2.º – Os signatários comprometem-se a divulgar entre si todos os documentos ou cópias de documentos indispensáveis à boa observância do presente tratado, ou de qualquer tratado que de futuro se possa celebrar entre as partes.

      § 3.º – Os signatários decidem estabelecer nos seus respectivos territórios Embaixadas e nomearão um Embaixador ou Embaixatriz, o qual será o contacto privilegiado no caso de negociações diplomáticas

    Artigo II: Cooperação judicial

      § 1.º – Caso um dos signatários suspeite que um criminoso tenha fugido antes de se ter iniciado o processo pelas autoridades judiciais locais, o mesmo poderá delegar nas autoridades judiciais do outro a tarefa de processar juridicamente o suspeito em fuga sob a coordenação das autoridades judiciais do território onde foi cometido o crime.

      § 2.º – A acção judicial por um dos signatários contra um suspeito em fuga do território de outro deverá ser feita em estreita colaboração entre os órgãos dos dois signatários envolvidos, no entanto apenas o Procurador do território onde ocorreu o crime ficará responsável pela formulação da acusação e acção penal, através do Procurador do território onde o suspeito se encontra.

      Independentemente de onde a sentença é proferida, o suspeito será julgado de acordo com as leis do território onde cometeu o crime e a voz do Juiz deste prevalece sobre a do seu homólogo.

      § 3.º – Os signatários outorgam-se o direito de considerar, de forma razoável ou mesmo arbitrária, os suspeitos em fuga (ver parágrafos 1.º e 2.º), como refugiados políticos, mas só após julgamento formal.

      § 4.º – Uma vez o processo judicial iniciado, não poderá ser interrompido sem o acordo explícito das autoridades judiciais dos dois signatários.

      § 5.º – Os signatários deverão, via uma colaboração entre os seus arquivistas judiciais, advertirem-se mutuamente do perigo potencial de antigos condenados que tenham decidido instalar-se no território de um dos signatários.

      § 6.º – Os Membros do Conselho e também os Embaixadores das partes signatárias beneficiam de imunidade diplomática.

      Em caso de delito, eles não poderão ser processados, sem que os conselhos envolvidos tenham dado o seu aval.

      Em caso de crime grave (participação numa revolta sem acordo das autoridades locais, pilhagem, roubo ou assassinato), a regra de imunidade diplomática não se aplica: o diplomata poderá então ser imediatamente destituído do seu cargo pelas autoridades para as quais trabalha e poderá ser processado sem outro privilégio pelas autoridades judiciais locais.

      § 7.º – Em caso de perseguições de bandidos ou salteadores de estradas, as tropas estão autorizadas a perseguir os malfeitores para lá da linha de fronteira, nas seguintes condições :

        - O signatário perseguidor deverá imediatamente prevenir o outro, antes de cruzar a fronteira se for possível.
        - O outro compromete-se a empregar todos os meios para bloquear os malfeitores.
        - O grupo (invasor) do território do signatário não deve abusar da hospitalidade nem dos mercados deste e respeitar as leis, os usos e costumes da povoação local.
        - O signatário que tenha entrado no território não deve abusar das concessões acordadas por ele e compromete-se a retirar logo após a captura dos indivíduos perseguidos, ou após o pedido formal do outro signatário.

      Se o aviso não é feito, ou se uma das alíneas não for respeitada uma coima de 1.000,00 (mil) cruzados deverá ser paga pelo signatário infractor ao signatário cujo território foi o palco da perseguição.

    Artigo III: Cooperação comercial

      § 1.º – Os signatários comprometem-se a favorecer acordos comerciais entre eles de acordo com os seus poderes.

      § 2.º – Em caso de crise económica os parceiros comprometem-se a fazer tudo o que lhes for possível, em função dos seus recursos, sem se colocarem numa situação precária, para ajudar a parte em dificuldades.

      § 3.º – Como parceiros civilizados, comprometem-se a punir toda a destabilização económica, cujos autores estejam entre os seus cidadãos.

      § 4.º – Os Mercadores Ambulantes enviados dos signatários estão autorizados a deslocar-se livremente no território destes. Nenhuma taxa lhes poderá ser reclamada.
      Os Comissários do Comércio deverão estar em contacto constante de modo a regular as actividades dos ditos Mercadores.

      § 5.º – A segurança dos Mercadores mandatados pelos signatários deverá ser assegurada pelas forças militares e de polícia dos signatários envolvidos.

      § 6.º – O encerramento das fronteiras não poderá por em causa a livre circulação de Mercadores ou de pessoas devidamente mandatadas pelos signatários.

      § 7.º – Os Cidadãos residentes nos territórios dos signatários podem circular livremente entre eles, na condição expressa que não tenham processos judiciais, que as fronteiras não estejam fechadas, que não ajam como soldados ou mercenários em exercício sozinhos ou em grupo.

    Artigo IV: Condições de resolução do presente tratado

      § 1.º – Um dos signatários para quebrar este tratado em tempo de paz deve enviar para os representantes em exercício da outra parte uma notificação de ruptura por escrito e datada. A ruptura será efectivada após 7 (sete) dias.

      § 2.º – Os governantes dos territórios dos signatários, bem como os seus sucessores comprometem-se a respeitar este tratado. Todo o desrespeito a uma das cláusulas por um dos signatários liberta o outro do seu compromisso até que seja dada uma compensação substancial.

      § 3.º – O presente tratado não será quebrado por qualquer um dos signatários em tempo de guerra. Toda a rescisão unilateral do tratado em situação de guerra declarada é um acto de Traição e pode originar represálias.

      § 4.º – Pode ser decidido, com o consentimento de todos os signatários, a reformulação do tratado ou o seu cancelamento.

      § 5.º – Este tratado entra em vigor após a assinatura dos representantes dos territórios signatários. As autoridades de cada uma das partes comprometem-se a que os seus habitantes tomem rapidamente conhecimento das disposições do presente tratado.


    Pelo Principado de Valahia:

    Sua Excelência, Blagoe, Conde do Pricipado de Valahia
    Sua Excelência, Morosanu Matei (Morosanu), Chanceler do Pricipado de Valahia




    Pelo Reino de Portugal:

    Sua Majestade Real, D. Mac de Monforte (Mightymacky), Rei de Portugal



    Sua Excelência, D. Nortadas de Albuquerque (Nortadas), Real Chanceler de Portugal



    Sua Excelência, D. Anokas Highlander (Anokas), Condessa do Porto



    Sua Excelência, D. Secretgod de Albuquerque (Secretgod), Conde de Coimbra



    Sua Excelência, D. John de Sousa Coutinho (John_of_Portugal), Conde de Lisboa



    Tratat de Cooperare intre Regatul Portugal si Principatul Valahia

    Pentru maretia lui Jah, Marinimosul, in bunatatea Ta infinita, din dorinta Suveranului Principatului Valahia si a Regatului Portugal, pentru prosperitate, dezvoltare si securitate pe viitor, acest Tratat este stabilit prin reprezentatii lor diplomatici: Morosanu Matei (Morosanu), din Principatul Valahia, si Ronieri de Sousa Coutinho (Ronieri), din Regatul Portugal .

    Preambul

    Suveranitatea frontierelor semnatarilor acestui Tratat, precum si inviolabilitatea acestora este oficial recunoscuta de fiecare dintre acestia. Ei pledeaza pentru a se respecta reciproc si a respecta drepturile implicate de aceasta suveranitate, care sunt puterile exclusive de a legifera, a aplica justitia, a utiliza forta, in limite conventionale.

    Avand la baza aceasta recunoastere, semnatarii se angajeaza sa respecte demnitatea atasata fiecaruia din ei si sa se considere reciproc ca egali.

    Articolul I: Cooperarea administrativa si diplomatica

      § 1.º - Semnatarii se angajeaza sa-si puna la dispozitie toate documentele sau copii ale acestora, necesare pentru operabilitatea institutiilor proprii.

      § 2.º - Semnatarii se angajeaza sa-si puna la dispozitie toate documentele sau copii ale acestora, necesare pentru supravegherea acestui tratat sau a oricarui tratat semnat pe viitor.

      § 3.º - Semnatarii decid sa stabileasca in teritoriile proprii Ambasade si vor numi un ambasador, care va avea acces privilegiat in caz de negocieri diplomatice.

    Articolul II: Cooperarea Juridica

      § 1.º - Daca unul din semnatari suspecteaza ca un criminal a scapat de proces inainte ca acesta sa fie deschis de autoritatile locale, el poate delega autoritatile judiciare ale celuilalt semnatar, sarcina sa judece suspectul scapat, sub coordonarea autoritatilor din teritoriul in care crima a fost comisa.

      § 2.º - Procesul initiat de unul din semnatari impotriva unui suspect scapat din teritoriul celuilalt semnatar trebuie sa fie facut in cooperare cu organele judiciare ale ambelor parti, totusi Procurorul Public din teritoriul unde a fost comisa crima are responsabilitatea de a formula acuzatia prin Procurorul Public din teritoriul unde se afla suspectul.

      Indiferent unde este aplicata sentinta, suspectul va fi judecat in conformitate cu legile teritoriului unde s-a comis crima si Judecatorul acestuia va fi cel care emite verdictul.

      § 3.º - Semnatarii isi iau dreptul de a considera rezonabil sau arbitrar un suspect fugit (vezi paragrafele 1 si 2), in calitate de refugiat politic, dar numai dupa un proces formal.

      § 4.º - Odata incepute procedurile Curtii, nu pot fi oprite fara acordul explicit al autoritatilor judiciare ale ambilor semnatari.

      § 5.º - Semnatarii trebuie ca in colaborare cu magazionerul judiciar sa anunte un potential pericol reprezentat de persoanele cu cazier care se decid sa se stabileasca pe teritoriul celeilate parti.

      § 6.º - Membrii Consiliului si Ambasadorii semantarilor beneficiaza de imunitate diplomatica.
      Daca se comite o ofensa acestia nu pot fi judecati fara consimtamantul Consiliilor.
      In cazul unei ofense grave (participare la revolta fara autorizatie, distrugere, furt sau asasinat), regulile imunitatii diplomatice nu se aplica: Diplomatul trebuie destituit imediat de autoritatile respective si va fi condamnat fara niciun privilegiu de autoritatile judiciare locale.

      § 7.º - In cazul urmaririi banditilor sau hotilor, trupele au permisie de urmarire dincolo de granite, in urmatoarele conditii:

        - Partea care urmareste trebuie imediat sa anunte cealalta parte, inainte ca trupele sale sa treaca granitele, daca e posibil;
        - Cealalta parte va incerca sa opreasca fugitii cu toate mijloacele posibile;
        - Urmaritorii nu trebuie sa abuzeze de ospitalitatea straina si trebuie sa respecte legile, traditiile si obiceiurile populatiei locale;
        - Grupul de urmaritori nu trebuie sa abuzeze de concesiile facute in favoarea lor si se va retrage cat mai repede posibil dupa capturarea indivizilor urmariti sau dupa o cerere formala din partea celeilalte parti.

      Daca anuntul nu este facut, sau una din conditii nu este respectata, se va plati o amenda de 1.000,00 (o mie) ducati de catre partea care ofenseaza catre partea ofensata.

    III. Cooperarea comerciala

      § 1.º - Semnatarii isi iau angajamentul unei cooperari comerciale intre acestia in concordanta cu puterile lor.

      § 2.º - In caz de criza economica serioasa in teritoriul uneia din parti, partenerii se vor ajuta reciproc punand la dispozitie maximul de resurse disponibile.

      § 3.º - Ca parteneri civilizati, semnatarii vor pedepsi orice tentativa de destabilizare economica a celuilalt, ce are ca autori cetateni proprii.

      § 4.º - Comerciantii trimisi de partile semnatare au permisiune de deplasare libera in teritoriul lor. Nu se va cere nicio taxa acestora. Ministrii de Comert vor trebui sa fie in contact permanent cu ceilalti pentru a inlesni activitatea acestor comercianti.

      § 5.º - Siguranta Comerciantilor numiti de partile semnatare trebuie sa fie asigurata de militari sau politie.

      § 6.º - Inchiderea granitelor nu va influenta deplasarea libera a Comerciantilor sau a persoanelor autorizate de partile semnatare.

      § 7.º - Cetatenii rezidenti in teritoriile semnatarelor se pot deplasa liber intre ele cu conditia de a nu avea procese, granita sa nu fie inchisa si sa nu actioneze ca soldati sau mercenari in exercitiu, singuri sau in grup.

    Articolul IV: Conditii de terminare a Tratatului

      § 1.º - Unul din semnatari, pentru a anula acest Tratat in timp de pace, va trebui ca prin reprezentantii sai sa trimita o instiintare scrisa si datata despre dorinta de ruptura. Anularea va fi activa incepand cu a 7-a (saptea) zi.

      § 2.º - Conducatorii semnatarilor sau succesorii lor vor respecta acest Tratat. Orice disrespect a unuia din semnatari va da dreptul celuilalt semnatar de a cere o despagubire substantiala.

      § 3.º - Acest Tratat nu va putea fi anulat de oricare din parti in timp de razboi. Orice act de violare a Tratatului in stare de razboi este un act de tradare si va duce la represalii.

      § 4.º - Revizuirea Tratatului sau anularea lui poate fi decisa cu consimtamantul ambilor semnatari.

      § 5.º - Acest Tratat va fi valid dupa semnarea sa de reprezentatii teritoriilor semnatare. Autoritatile fiecarei semnatare se vor ocupa de instiintarea cetatenilor sai cum ca acest Tratat este in vigoare.


    Din partea Principatului Valahia:

    Excelenta Sa, Blagoe, Conte al Principatului Valahia

    Excelenta Sa, Morosanu Matei (Morosanu), Cancelar al Principatului Valahia



    Din partea Regatului Portugal:

    Maiestatea Sa Regala, Mac de Monforte (Mightymacky), Rege al Portugal



    Excelenta Sa, Nortadas de Albuquerque (Nortadas), Cancelar Regal al Portugal



    Excelenta Sa, Anokas Highlander (Anokas), Contesa al Porto



    Excelenta Sa, Secretgod de Albuquerque (Secretgod), Conte al Coimbra



    Excelenta Sa, John de Sousa Coutinho (John_of_Portugal), Conte al Lisboa


      Current date/time is Sun Dec 04, 2016 6:20 pm